Tendências do marketing digital para 2017 (com jeitinho brasileiro).

O ano de 2016 vai chegando ao fim, e nessa época do ano começam a “pipocar” pela internet as previsões e tendências de marketing digital e “martech” para 2017.

 

Apesar de muito interessantes, a relevância e aplicabilidade dessas previsões é questionável uma vez que boa parte delas são feitas por empresas e profissionais americanos, que vivem num ambiente de negócios e maturidade digital completamente diferente dos nossos, aqui no Brasil.

 

Nesse post, resolvemos facilitar a sua vida e selecionar algumas das tendências que acreditamos serem mais relevantes para o mercado brasileiro, levando em consideração a maturidade digital da média das empresas brasileiras e como o brasileiro consome e se relaciona com o meio digital.

 

Vamos a elas:

Mobile, mobile, mobile.

Não é novidade que o brasileiro é louco por seu telefone: são mais de 283 milhões de linhas e 168 milhões de smartphones vendidos até maio de 2016 (segundo pesquisa da FGV). Passamos em média de 4,5 horas diárias (!) na internet através de dispositivos móveis – mais da metade do tempo total que passamos online.

cotd-charts-3-june-2016

Apesar de números tão favoráveis, o investimento das empresas brasileiras em mobile, aumentava lentamente, até que em 2015 o Google promoveu uma atualização em seu algoritmo batizada informalmente de “Mobilegeddon” na qual penaliza em seus rakings, sites que não são mobile friendly (otimizados para exibição em dispositivos móveis).

 

Tal atualização fez com que “mobile first” fosse o mantra do mercado em 2016 e vai seguir repercutindo ao longo de 2017.

 

Outro fator que vai contribuir para que mobile continue forte na pauta do investimento das empresas é o início da adoção em massa de wearables (como os smartwatches), mas no Brasil essa talvez seja uma previsão para 2018 =)

Personalização é prioridade.

Online, conteúdo é rei. Mas estamos cansados de um rei irrelevante.


Estudos de 2013 já mostravam que o formato “one size fits all” que as empresas vinham usando para o conteúdo que disponibilizavam na internet já não agradava. Hoje ainda existe o agravante da quantidade imensa de conteúdo produzido por marcas nos últimos anos, o que torna cada vez mais difícil que as elas se destaquem, especialmente se estão produzindo conteúdos populares para grandes audiências.


A solução: personalização.

 

Em 2017, marcas focarão em gerar conteúdos para audiências menores e cada vez mais específicas. A ponto de se imaginar que elas realmente entendem o problema e a necessidade dessas audiências, que vão consumir esse conteúdo de bom grado e escolher por essas marcas.

Como? Através do uso crescente de dados e das tecnologias para coletá-los. ( Mas esse é o tema para outro post).

Transmissões ao vivo (Live Video Streams).

Por alguns anos, vídeo tem um papel central na estratégia de marketing digital das marcas. Porém com o lançamento do Periscope em 2015, Facebook Live e a capacidade de transmissão ao vivo do app do Youtube, empresas e marcas têm adotado uma nova modalidade de vídeo: a transmissão ao vivo.


Diferente dos vídeos convencionais, mais “lapidados”, a crueza das transmissões e o fator “real time” tem sido usado como ferramenta para geração de conteúdo exclusivo, visibilidade e engajamento. E essa prática tende a ganhar ainda mais corpo em 2017.

Facebook Live Creation Tools

Automação ganha o palco.

Com a difusão das práticas digitais, o mix de marketing se tornou muito mais complexo. E essa complexidade cresce exponencialmente ao longo anos. Gerir essa diversidade com “papel e caneta”, ou planilhas de excel, tornou-se uma tarefa ineficiente e não escalável. Eis que entram em cena as plataformas de automação de marketing, como Marketo, Hubspot e nosso parceiro RD Station.


A adoção dessas plataformas tem se tornado mais comum e financeiramente viável para empresas menores ao longo dos anos e em 2017 as veremos ganhar em popularidade.


Se você ainda não pensou na contratação de uma dessas, pode estar deixando dinheiro na mesa.

Fonte: IMCS 360

Tendência bônus: Snapchat.

Não fomos só eu e você que envelhecemos. Aquele sobrinho que não saía do Snapchat também. E junto com ele, o app também amadureceu, expandiu seu alcance para vários países e vem flertando com formatos comerciais interessantes para as empresas e marcas explorarem. Ouviremos falar bastante no Brasil sobre Snapchat durante 2017, em rodas de discussão mais maduras.

snapchat sponsored lenses

Snapchat sponsored lenses

Em conclusão, o horizonte digital de 2017 está cheio de oportunidades e desafios. E nós, “marqueteiros” e empreendedores teremos que seguir nos reinventando e nos desprendendo das velhas práticas para atingirmos bons resultados nesse ambiente.


E você? Concorda com essa nossa seleção?
Tem alguma previsão ou notou alguma outra tendência? Compartilhe conosco nos comentários abaixo.
Ricardo Abellan About the author

Head de Estratégia e Resultados da Agência GDM

Comments:
  • Gabriel Lemos

    Ótima Seleção, parabéns pelo texto!
    Não conhecia o “Mobilegeddon”, muito interessante este dado.
    Vamos lá 2017, Mobile.

    novembro 20, 2016 at 9:55 am